Como entender as aparentes contradições da Bíblia?

21/04/2011 21:48

Atenas ou Jerusalém?

 

As Escrituras estão cheias de paradoxos, ou seja, de aparentes contradições. Um site encontrou nada menos que 143 contradições. O problema é como interpretar tais paradoxos? As ferramentas para interpretá-los são nossas mentes, nossos modos de pensamento, e existem dois tipos de pensamentos: o pensamento ocidental e o pensamento oriental. Como habitantes da América Latina, estamos parcialmente posicionado dentro do primeiro tipo de pensamento, o Ocidental. Para nós, descendentes dos herdeiros da mente grega, as coisas são brancas ou pretas. Não há nada que possa ser, ao mesmo tempo, tanto branco quanto preto. Para o nosso tipo de mente, este aspecto seria "irracional", "ilógico".


Esta situação decorre de Atenas de 2.400 anos atrás. A mente grega, da qual a civilização ocidental é herdeira, era uma mente eminentemente prática e clara. Na realidade, a clareza das idéias era a sua característica mais saliente. Essa clareza da mente trouxe como corolário a criação da ciência moderna e da investigação científica. A razão se elevou até se tornar como uma religião do Ocidente, um Ocidente pós-cristão, tendo os cientistas, especialmente médicos e psicólogos, como os seus profetas e sacerdotes, respectivamente. Por sua vez, a exaltação da mente resultou na exaltação do homem, possuidor de que a mente. A mente do homem tornou-se um deus, e a ciência é a sua religião. O século XX e especialmente o século XXI é um claro herdeiro de tudo isso.

O cristianismo não nasceu nem se fundou para ser uma religião separada e antagônica do judaísmo, na realidade, não existe um Cristianismo Gentio tal como entendemos atualmente, o que existe, pelo menos aos olhos do SENHOR segundo Romanos 11:17 é o Judaísmo Messiânico, um Judaísmo na qual o Messias Judeu, prometido ao povo judeu nas escrituras judaicas (Jer. 31:31-33), transfere de local a Torá (Instruções), que antes estavam escritas fora do homem, em pedras, e sendo praticamente impossíveis de serem praticadas por serem elas espirituais (Rm. 7) e o homem por sua inclinação má exacerbada após a queda, carnal, mas agora por meio do Mashiach Yeshúa tais instruções são escritas dentro de nós (Jer. 31:32).


Quando Shaul HaShaliach (Paulo o Apóstolo) diz em Rom. 6:14: "... porque não estamos debaixo da Torá (Instruções de Deus (" Lei "), mas debaixo da graça" o que ele está dizendo é que não estamos debaixo da Torá externa apenas aparente, mas sim que estamos debaixo da Torah interna a Torá do Mashiach conforme Gálatas 6:2 que não é outra Torá diferente daquela recebida no Sinai, mas a mesma Torá que apenas mudou de lugar, que saiu das pedras e foi gravadas nos corações e mentes dos homens.

Foi somente por volta do ano 97 E.C., em que os gentios começaram a ser maioria, e portanto, a tomar as rédeas do poder e mudar os verdadeiros fundamentos da fé do Rabino Yeshúa (Yeshúa por mais de 58 vezes é chamado de "Rabi" , Rabino ou de Mestre nas Escrituras). Até então, o Judaísmo Messiânico não era uma religião separada e antagônica do judaísmo, mas a continuação dele, em Atos (24:5) é chamado de "seita dos nazarenos", isto é, uma seita mas dentro do judaísmo, como eram os prushím ("fariseus") e Tzukim ("Saduceus").


Christóu palavra (Cristo), por exemplo, é apenas a tradução grega do termo hebraico Mashiach (Messias = o ungido), mas o termo grego já vem carregado de significância, pois nos templos greco-romanos era costume se ungir as sacerdotisas e virgens (vestais) para iniciá-las nos serviços dos templos.

Não podemos esquecer que a Nova Aliança foi feita com a"beit” (linhagem, casa, família) de Israel e a Casa de Judá conforme (Jeremias 31:32, Heb. 8:10), ou seja, com o mesmo povo judeu com quem Elohim fez o Pacto Mosaico, em outras palavras, o D-us de Israel fez a Nova Aliança com o povo judeu e depois presenteou os gentios! Quem quer se ligar à Elohim o D-us de Israel e ao Mashiach de Israel deve ser enxertado na Oliveira conforme (Romanos 11), já que não há uma árvore para cada povo, uma para os judeus aqui, e uma para os gentios em outro lugar a Igreja constituída e institucionalizada infelizmente criou uma árvore imaginária e atua como se esta árvore estivesse florescendo!

Influenciados pelo anti-judaísmo e anti-semitismo introduzidos pelos Padres da Igreja, esta cometeu, neste sentido, um erro cujos efeitos são sentidos até os dias hoje. Infectados pelos filósofos gregos, especialmente por Aristóteles e Platão, a Igreja se afastou de suas verdadeiras raízes judaicas, se rendendo ao pensamento de Atenas, justamente para ficar longe de tudo que fosse judaico, ao fazê-lo, tomou uma série de rolos de couro escrito em hebraico (as Escrituras judaicas, o chamado “Antigo Testamento", 78 % dela) e em papiro (22 % dela, o chamado “ Novo Testamento”); Estas Escrituras era um material estritamente Oriental, escrita por orientais para orientais, no entanto foi adicionada a elas uma capa Ocidental e um "par de óculos" Ocidentais para que através deles o leitor fizesse a leitura, e os efeitos desta decisão continuam a afetar a maneira de se compreender as Escrituras, sendo que o equivoco de se tirar o contexto oriental da compreensão tem alcançado os nossos dias.

A pergunta que é feita é : Podemos demonstrar a contraposição do modo de pensar Oriental e do Ocidental ?
Acreditamos que uma das melhores maneiras de entender o que estamos tentando dizer é dar um exemplo. A Dialética (Pilpul em hebraico) é um método de ensino no qual 34 Talmidin (discípulos) discorrem suas opiniões e são confrontados com a tarefa de correlacionar todas estas opiniões conflitantes. O Pilpul é altamente dialético, isto é, contraditório e analógico, manejando as mesmas contradições como parte da educação, para treinar as mentes das crianças judias na gestão de paradoxos e vários pontos de vistas simultâneos e contraditórios. Esse tipo de pensamento, dialético e analógico (que trabalha com alusões e reconhecimento das semelhanças) é o mesmo pensamento de Elohim evidenciado em Suas Escrituras, embora tendemos a erroneamente chamar de "pensamento judeu" e associá-lo a Jerusalém. O segundo exemplo é tirado do pensamento helenista e Ocidental, que é essencialmente binário (sim ou não) e não tem lugar para "sins" que podem ser simultaneamente "nãos" e tendemos à associá-lo com Atenas.

Vamos ver então.

A lição de Pilpul

"Um gentio queria aprender o sistema de estudo dos judeus chamada Pilpul. O Rabino o desanimava dizendo-lhe que nunca entenderia, mas o gentio persistiu e finalmente o rabino levantou o seguinte paradoxo: "Dois homens caíram de um lareira, um deles caiu sujo e outro limpo. Qual deles foi se lavar?" “O sujo é claro!", disse o gentio. "Incorreto", disse o rabino "O sujo viu o limpo e pensou: Incrível nenhum de nós se sujou, mas o limpo viu o sujo e supondo que ambos se sujaram foi se lavar". O gentio sorriu satisfeito:".. Ah agora entendi"." Não! Você não entendeu ", disse o rabino." Eu vou fazer a seguinte pergunta: "Dois homens caíram de uma chaminé, um caiu limpo e o outro sujo, qual deles foi se lavar? " O gentio disse, "Bem, esta pergunta já me foi feita antes." "Não!" disse o rabino. "O primeiro estava sujo. Qual deles foi se lavar?" "O limpo", disse o gentio. "Errado de novo!" disse o rabino. . "O sujo viu ao limpo e disse para si mesmo: Como é estranho que ele não tenha se sujado, e ao ver suas mãos e braços sujos ele foi se lavar". "E agora a terceira questão. Dois homens caíram de uma lareira. Um estava sujo e o outro limpo. Qual dos dois foi se lavar?" O gentio, já confuso disse: "Eu não sei o que dizer, se foi o limpo ou o sujo". "Nenhum!" respondeu o rabino. "Isto é absolutamente ridículo!" "Como duas pessoas podem cair juntas de uma lareira e uma sai limpa e outra sai suja?" (Share The New Life With a Jew, by Moishe and Cecil Rosen, Moody Press, 1976, págs. 47-48).(Extraído com permissão escrita do autor)


Este trecho como dissemos anteriormente é um exemplo de pensamento analógico de Elohim que não é uma maneira de pensar linear e de forma binária, não está vinculada a uma lógica frágil e mecânica, que pode quebrar ao menor crack, mas é tão forte que ele pode suportar três soluções simultâneas e contraditórias entre si, sem que nossa mente seja afetada. Se lermos atentamente uma segunda vez, podemos ver como o gentio ao ouvir a explicação do rabino, acredita "entender", quando na realidade apenas está ouvindo uma das três explicações simultaneamente contraditórias que vem. Está claro que, quando o rabino faz a mesma pergunta pela terceira vez, o gentio está totalmente confundido e não sabe o que responder, sem mencionar a confusão mental que deve ter sentido quando o rabino dá a última "explicação", a única com lógica binária (sim / não) das três. Compartilhando o dilema do gentio perguntamos aos leitores, realmente como duas pessoas podem cair juntos por uma chaminé, uma sai limpa e uma sai suja? Se não aprendermos a lidar com um tipo de pensamento paradoxal e contraditório como este, será quase impossível de compreender - na prática - as Escrituras!

Quando a Congregação Messiânica de nosso Rabino Yeshúa abandonou suas raízes judaicas e se converteu contra a vontade de Elohim, como podemos ver em Romanos 11:17, em uma religião separada e até mesmo anti-semitas se formou uma lacuna conceitual e o pensamento dialético e analógico do Escritor das Escritura deixou de fazer parte da Igreja sendo substituído pelo pensamento binário de Atenas. O principal problema é que agora temos As Escrituras que foram escritas em Jerusalém que queremos, a todo custo, ler com óculos atenienses! O resultado direto dessa atitude é a mesma experimentada pelo gentio da história anterior: confusão mental, incapacidade de gerir os paradoxos e contradições aparentes e, como corolário desta, sérias dificuldades em interpretar as Escrituras corretamente.


Acreditamos que o autor da Escritura quer por fim nesta situação ele quer que a Igreja retornar às suas raízes originais, as raízes judaicas, quando isto ocorrer, Judeus e Gentios terão que se sentar junto para jogar um jogo duas vezes por milênio, onde os judeus são os portadores do tabuleiro e as gentios das peças! Separados não pode jogar, mas juntos descobrirão que tudo combina!

 

Por Julio Dam Rabino Messiânico.
Traduzido e adaptado por Metushelach Ben Levy

Fonte: http://judeu-autonomo.blogspot.com/2010/12/como-enterder-as-aparentes-contradicoes.html